sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Atraso em votação na Câmara põe em risco R$ 1 bilhão para metrô na BA

30/12/2011 - Correio da Bahia

Vereadores governistas dizem que ainda não chegaram a um entendimento se votarão contra ou a favor

Por Florence Perez

A falta de consenso entre as bancadas de oposição e governo adiou a votação, na Câmara Municipal de Salvador, da Lei de Ordenamento do Uso do Solo (Lous), da retirada do poder de decisão do Conselho da Cidade, da regulamentação das Áreas de Preservação Cultura e Paisagística (APCPs) e do projeto de mobilidade urbana na avenida Paralela.

A votação estava marcada para quarta-feira à tarde. Se o projeto do metrô na Paralela não fosse votado até ontem, o estado perde R$ 1 bilhão do PAC da Mobilidade.

Vereadores governistas dizem que ainda não chegaram a um entendimento se votarão contra ou a favor. “O único ponto que chegamos a um acordo foi aprovar uma emenda que garante o direito dos deficientes”, diz o vereador Jorge Jambeiro (PP), presidente da Comissão de Transportes na Câmara. Nos bastidores, comentou-se que a falta de união na base do governo fez Téo Senna (PTC) entregar o cargo de líder ontem e depois voltar atrás.

“Acredito que o prefeito o chamou e Téo refletiu que não era o momento de se afastar", disse Alcindo Anunciação (PT). Téo Senna nega. “Isso nunca aconteceu”. 

Anunciação responsabiliza a falta de articulação entre a prefeitura e sua bancada pelo atraso na votação. “O chefe da Casa Civil, João Leão, deveria articular os interesses de estado e prefeito e organizar a base. Mas esse meio de campo é ruim”, opina.

Outra desavença é em relação à Lous. O projeto é de interesse da prefeitura, mas a vereadora Aladilce Souza (PCdoB) garante que a maioria da oposição votará contra. “Tivemos pouco tempo para analisar a Lous. É um projeto importantíssimo para a cidade e deve ser bem estudado. Acho que a mobilidade urbana deve ser votada logo por causa do prazo do governo federal e o resto com mais calma”, disse.

Alguns vereadores garantem que a aprovação da Lous será utilizada como moeda de troca pela aprovação do metrô da Paralela.

sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Salvador: Metrô estará em atividade no segundo semestre de 2012

23/12/2011 - Alagoinha Notícias

Os testes que estão ocorrendo no primeiro tramo do metrô iniciaram neste mês de dezembro e devem perdurar por um prazo médio de cinco meses


Neste período, serão avaliados os sistemas estáticos e dinâmicos como segurança dos vagões (freio e tração) e das vias. Após essa fase, o cidadão poderá fazer em cerca de 15 minutos o deslocamento entre a Estação da Lapa e o Acesso Norte.
 
A partir do segundo semestre de 2012, a população da capital baiana já poderá usar o sistema metroviário. A garantia foi dada pelo Prefeito João Henrique na tarde desta quinta-feira (22), após a primeira viagem de teste dos trens sobre os trilhos no percurso Estação da Lapa/Acesso-Norte, formando os seis quilômetros do primeiro tramo. “Salvador tem muito o que comemorar, afinal já no segundo semestre toda a população poderá desfrutar de mais um serviço de mobilidade urbana”, destacou o prefeito, acompanhado do chefe da Casa Civil, João Leão e do secretário de Transportes e Infraestrutura (Setin), José Mattos.
 
Para assegurar o funcionamento do sistema no primeiro ano, a Prefeitura de Salvador conseguiu um aporte de R$ 33 milhões do Ministério das Cidades. Este recurso vai subsidiar a passagem do metrô e a operação do sistema. Segundo a Setin, cerca de 25 mil pessoas deverão fazer o trajeto diariamente, em um tempo médio de 15 minutos. Além disso, o sistema será interligado com as linhas de ônibus das estações Lapa, Brotas e Acesso Norte.

quinta-feira, 22 de dezembro de 2011

Metrô de Salvador inicia testes de trens

22/12/2011 - Correio da Bahia

A Prefeitura Municipal, através da Secretaria de Comunicação Social, divulgou no final da tarde desta quarta-feira (21) as primeiras fotos oficiais dos testes do metrô. As operações, que foram iniciadas na última terça-feira sob responsabilidade da equipe técnica da Companhia de Transportes de Salvador (CTS), deverá seguir até a próxima sexta-feira (23).

Para a tarde desta quinta-feira (22), na Estação da Rótula do Abacaxi, está prevista uma entrevista coletiva com o prefeito de Salvador, João Henrique. O objetivo principal é fornecer maiores informações sobre os primeiros experimentos.

Operações

As primeiras operações, entre as estações da Lapa e da Rótula, estão sendo feitas sem cargas. O metrô começará a andar sozinho e será verificado todo o sistema técnico, atendendo às normas de segurança.

Já os testes com a movimentação, inspecionam e preparam os trens para os seguintes experimentos envolvendo cargas. Este procedimento é habitual e necessário para que o metrô possa ser liberado para a população.

De acordo com a Secretaria Municipal dos Transportes Urbanos e Infraestrutura (Setin), as verificações com carga devem começar em janeiro de 2012. A depender do desempenho, há possibilidades de que a população soteropolitana possa, depois de 12 anos de espera, utilizar o metrô ainda no primeiro semestre de 2012.

sábado, 17 de dezembro de 2011

Convênio de R$ 15 milhões vai garantir melhorias para trens do subúrbio da BA

17/12/2011 - Correio 24 Horas

A verba será destinada a construção de muros e de 14 passarelas

Nesta segunda-feira (19) será assinado um convênio entre a Companhia de Transporte de Salvador (CTS), órgão da Prefeitura de Salvador, e a Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), ligada ao Ministério das Cidades. O convênio garante uma verba inicial de R$ 15 milhões para os trens do Subúrbio, montante que faz parte de um projeto total orçado em R$ 115 milhões.

Segundo o chefe da Casa Civil, João Leão, o valor será destinado à construção de 14 passarelas e à segregação de toda a linha férrea do trem do Subúrbio, ou seja, à construção de muros que fecharão espaços abertos existentes ao longo da linha.

Dentre as melhorias previstas para os trens do Subúrbio, há a remodelação de nove trens, os quais terão ar-condicionado e receberão uma cara nova, semelhante ao VLT, dentre outros aprimoramentos .

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Espanhóis querem explorar metrô de Salvador

13/12/2011 - Correio (BA)

Após anunciar na semana passada a assinatura de um convênio de consultoria com as estatais espanholas Feve e Euskotren para auxiliar a prefeitura a planejar a gestão do primeiro trecho do metrô, o chefe da Casa Civil municipal, João Leão (PP), afirma que as empresas estão de olho na exploração do serviço.

“Elas provavelmente vão sugerir explorar o primeiro e o segundo trecho, os trens do Subúrbio e quem sabe até o metrô da Paralela”, diz. Segundo o secretário, em 30 dias os espanhóis chegam a Salvador. “A análise será gratuita. Acredito que em 60 dias o relatório estará pronto. Ele terá sugestão de tarifas, o que precisa de ajuste, como deve ser a operação dos trens... No documento, é provável que haja proposta de exploração e administração do sistema”, diz.

Leão afirma que a experiência das empresas as tornam mais indicadas a realizar o serviço do que qualquer brasileira. “A experiência delas é superior até à do governo federal. Eles operam 1.100 km de linhas”, diz. Fave e Euskotren administram ferrovias de média e longa distância no Centro e Norte da Espanha.

O ex-diretor do MetrôRio (que administra o metrô carioca) e primeiro gerente de operações do metrô de São Paulo, Cláudio de Sena, entende, porém, que o Brasil tem, sim, empresas capacitadas. “Se fosse por quantidade de quilômetros deveriam chamar gente de Nova York. Lá eles têm 2 mil km de linha. A linha 4 de São Paulo é uma das mais modernas do mundo”, ressalta.

Gestão

O governador Jaques Wagner já declarou que acha difícil uma empresa se interessar por uma licitação para um trecho de 6 km. Segundo ele, esse metrô só deveria operar em 2014, quando o da Paralela estiver pronto. O CORREIO procurou o secretário estadual de Planejamento, Zezéu Ribeiro, mas ele não quis comentar.

O convênio é legal, mas, diferente da concessão, impede o lucro, segundo o advogado especialista em Direito Público, Gustavo Moris. “No convênio, o acordo é celebrado entre uma administração pública e entidades sem fins lucrativos. As tarifas devem ser revertidas no serviço ou subsidiar os custos da empresa. Já a concessão pública é a exploração de um serviço por uma empresa privada e passa por licitação já que objetiva o lucro”, adverte Moris.

João Leão garante que, se a prefeitura e os espanhóis chegarem a acordo, eles explorarão o serviço a partir de um segundo  convênio. Questionado, então, se as empresas fariam o serviço sem fins de lucro, Leão não titubeou: “É para você ver como tem gente que ainda gosta de servir os outros”.

Trens começam a rodar na semana que vem
Os trens do metrô começam a rodar nos trilhos, em testes, nos dias 20 e 21 deste mês. É o que diz a Secretaria Municipal de Transportes e Infraestrutura (Setin). Em nota, o órgão informa ainda que diversos sistemas já estão sendo testados, como  iluminação, ar condicionados, abertura e fechamento de portas e freios.

O secretário da Casa Civil, João Leão, afirma que em março os seis vagões serão testados com 600 sacos de areia de 60 kg cada e, em abril, o metrô começa a rodar com passageiros. Para o especialista Cláudio de Sena, o prazo de 4 meses para testar o sistema é apertado. “É normal aparecerem problemas nessa fase, geralmente necessidade de trocar peças. Esses componentes demoram a chegar”, explica.

Segundo ele, os metrôs do Rio e São Paulo ficaram 1 ano em testes.   Leão diz que na próxima semana dois maquinistas da CBTU (concessionária de São Paulo) virão a Salvador capacitar a mão de obra baiana. Para Sena, esse é outro prazo difícil. “Para os maiores metrôs do Brasil levamos 2 anos para treinar os maquinistas”, diz.

Espanhóis querem explorar metrô de Salvador

13/12/2011 - Correio (BA)

Após anunciar na semana passada a assinatura de um convênio de consultoria com as estatais espanholas Feve e Euskotren para auxiliar a prefeitura a planejar a gestão do primeiro trecho do metrô, o chefe da Casa Civil municipal, João Leão (PP), afirma que as empresas estão de olho na exploração do serviço.

“Elas provavelmente vão sugerir explorar o primeiro e o segundo trecho, os trens do Subúrbio e quem sabe até o metrô da Paralela”, diz. Segundo o secretário, em 30 dias os espanhóis chegam a Salvador. “A análise será gratuita. Acredito que em 60 dias o relatório estará pronto. Ele terá sugestão de tarifas, o que precisa de ajuste, como deve ser a operação dos trens... No documento, é provável que haja proposta de exploração e administração do sistema”, diz.

Leão afirma que a experiência das empresas as tornam mais indicadas a realizar o serviço do que qualquer brasileira. “A experiência delas é superior até à do governo federal. Eles operam 1.100 km de linhas”, diz. Fave e Euskotren administram ferrovias de média e longa distância no Centro e Norte da Espanha.

O ex-diretor do MetrôRio (que administra o metrô carioca) e primeiro gerente de operações do metrô de São Paulo, Cláudio de Sena, entende, porém, que o Brasil tem, sim, empresas capacitadas. “Se fosse por quantidade de quilômetros deveriam chamar gente de Nova York. Lá eles têm 2 mil km de linha. A linha 4 de São Paulo é uma das mais modernas do mundo”, ressalta.

Gestão

O governador Jaques Wagner já declarou que acha difícil uma empresa se interessar por uma licitação para um trecho de 6 km. Segundo ele, esse metrô só deveria operar em 2014, quando o da Paralela estiver pronto. O CORREIO procurou o secretário estadual de Planejamento, Zezéu Ribeiro, mas ele não quis comentar.

O convênio é legal, mas, diferente da concessão, impede o lucro, segundo o advogado especialista em Direito Público, Gustavo Moris. “No convênio, o acordo é celebrado entre uma administração pública e entidades sem fins lucrativos. As tarifas devem ser revertidas no serviço ou subsidiar os custos da empresa. Já a concessão pública é a exploração de um serviço por uma empresa privada e passa por licitação já que objetiva o lucro”, adverte Moris.

João Leão garante que, se a prefeitura e os espanhóis chegarem a acordo, eles explorarão o serviço a partir de um segundo  convênio. Questionado, então, se as empresas fariam o serviço sem fins de lucro, Leão não titubeou: “É para você ver como tem gente que ainda gosta de servir os outros”.

Trens começam a rodar na semana que vem
Os trens do metrô começam a rodar nos trilhos, em testes, nos dias 20 e 21 deste mês. É o que diz a Secretaria Municipal de Transportes e Infraestrutura (Setin). Em nota, o órgão informa ainda que diversos sistemas já estão sendo testados, como  iluminação, ar condicionados, abertura e fechamento de portas e freios.

O secretário da Casa Civil, João Leão, afirma que em março os seis vagões serão testados com 600 sacos de areia de 60 kg cada e, em abril, o metrô começa a rodar com passageiros. Para o especialista Cláudio de Sena, o prazo de 4 meses para testar o sistema é apertado. “É normal aparecerem problemas nessa fase, geralmente necessidade de trocar peças. Esses componentes demoram a chegar”, explica.

Segundo ele, os metrôs do Rio e São Paulo ficaram 1 ano em testes.   Leão diz que na próxima semana dois maquinistas da CBTU (concessionária de São Paulo) virão a Salvador capacitar a mão de obra baiana. Para Sena, esse é outro prazo difícil. “Para os maiores metrôs do Brasil levamos 2 anos para treinar os maquinistas”, diz.

segunda-feira, 12 de dezembro de 2011

Trens de Salvador entram em teste

10/12/2011 - Jornal da Mídia

O metrô de Salvador, finalmente, vai para os trilhos. Depois de 12 anos sendo construído, os primeiros seis quilômetros do sistema, que vai da Estação da Lapa à Rótula do Abacaxi, entrará em uma fase de testes dia 20 de dezembro. O metrô já consumiu fabulosos R$ 700 milhões.

A fase de teste não começará com o transporte de passageiros. É que a Prefeitura de Salvador resolveu inovar e foi buscar uma nova tecnlogia para ter a certeza de que os trens funcionarão mesmo e com segurança.

Os trens vão passar o dia inteiro transportando 600 sacos de areia, cada um com 60 quilos. E mais: a fase de teste não será coisa para uma semana...duas....três ou um mês. Ela começa dia 20 próximo e só termina no mês de abril de 2012.

Depois disso, haverá uma segunda etapa de teste, esta de ''treinamento'' para os passageiros, segundo anunciou o secretário da Casa Civil da Prefeitura, João Leão, que funciona também como uma espécie de ''dublê'' do prefeito João Henrique.

O metrô, em sua fase de teste para passageiros (sem sacos de areia), deve transportar 600 pessoas em cada viagem, sem a cobrança de passagem, de acordo com Leão.

Leão garantiu que o segundo trecho do metrô, que vai da Estação Pirajá até a Rótula do Abacaxi, que completaria os 12 km do sistema, deve levar mais 15 meses para ser concluído e vai custar mais R$ 560 milhões.

“Já tem dinheiro orçamentário, né? Eu tenho no caixa o recurso para concluir o tramo 1. Hoje tenho no caixa da CTS algo em torno de R$ 60 milhões”, aponta o dublê do prefeito de Salvador.

Ele explicou que duas empresas da Espanha foram contratadas para administrar e operar o metrô ''sem nenhum custo contratual. Os seis quilômetros entre a Lapa e a Rótula devem funcionar “logo”.

“Todo o sistema já está pronto, as linhas estão prontas, faltam alguns detalhes de umas catracas e algumas coisas, mas isso nós só vamos utilizar na época em que nós estivermos operando com os passageiros”, completa.

Sobre o custo de funcionamento do sistema, Leão afirma que uma parceria mantida com o Ministério das Cidades vai garantir os recursos para se custear a operação em sua fase inicial. “Tem um empenho muito grande do ministro Mario Negromonte no intuito de dar o exemplo”, diz.

domingo, 11 de dezembro de 2011

Metrô de Salvador/BA será testado com sacos de areia

11/12/2011 - Jornal da Mídia

O metrô de Salvador entra em fase de teste dia 20. Primeiro, transportará sacos de areia. Depois, os passageiros começam a ser treinados para o embarque. A tecnologia é de ponta.

Salvador - O metrô de Salvador, finalmente, vai para os trilhos. Depois de 12 anoos sendo construído, os primeiros seis quilômetros do sistema, que vai da Estação da Lapa à Rótula do Abacaxi, entrará em uma fase de testes dia 20 de dezembro. O metrô já consumiu fabulosos R$ 700 milhões.

A fase de teste não começará com o transporte de passageiros. É que a Prefeitura de Salvador resolveu inovar e foi buscar uma nova tecnlogia para ter a certeza de que os trens funcionarão mesmo e com segurança.

Os trens vão passar o dia inteiro transportando 600 sacos de areia, cada um com 60 quilos. E mais: a fase de teste não será coisa para uma semana...duas....três ou um mês. Ela começa dia 20 próximo e só termina no mês de abril de 2012.

Depois disso, haverá uma segunda etapa de teste, esta de ''treinamento'' para os passageiros, segundo anunciou o secretário da Casa Civil da Prefeitura, João Leão, que funciona também como uma espécie de ''dublê'' do prefeito João Henrique.

O metrô, em sua fase de teste para passageiros (sem sacos de areia), deve transportar 600 pessoas em cada viagem, sem a cobrança de passagem, de acordo com Leão.

Leão garantiu que o segundo trecho do metrô, que vai da Estação Pirajá até a Rótula do Abacaxi, que completaria os 12 km do sistema, deve levar mais 15 meses para ser concluído e vai custar mais R$ 560 milhões.

“Já tem dinheiro orçamentário, né? Eu tenho no caixa o recurso para concluir o tramo 1. Hoje tenho no caixa da CTS algo em torno de R$ 60 milhões”, aponta o dublê do prefeito de Salvador.

Ele explicou que duas empresas da Espanha foram contratadas para administrar e operar o metrô ''sem nenhum custo contratual. Os seis quilômetros entre a Lapa e a Rótula devem funcionar “logo”.

“Todo o sistema já está pronto, as linhas estão prontas, faltam alguns detalhes de umas catracas e algumas coisas, mas isso nós só vamos utilizar na época em que nós estivermos operando com os passageiros”, completa.

Sobre o custo de funcionamento do sistema, Leão afirma que uma parceria mantida com o Ministério das Cidades vai garantir os recursos para se custear a operação em sua fase inicial. “Tem um empenho muito grande do ministro Mario Negromonte no intuito de dar o exemplo”, diz.

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Governo dará verba para metrô em cidades grandes, diz ministra

08/12/2011 - G1

Miriam Belchior afirmou que Dilma anunciará programa ainda este ano.
As cidades de Salvador, BH, Curitiba e Porto Alegre serão beneficiadas.

Naiara Leão

A ministra Miriam Belchior, durante audiência no
Senado (Foto: Agência Senado)

A ministra do Planejamento, Orçamento e Gestão, Miriam Belchior, disse nesta quinta-feira (8), em audiência pública no Senado, que o governo federal deve anunciar ainda este ano um projeto de implantação de metrôs em cidades com mais de 700 mil habitantes.

Segundo ela, o ministério selecionou até agora quatro municípios para receberem obras de metrô com financiamento federal: Salvador, Belo Horizonte, Curitiba e Porto Alegre. "Mais duas ou três cidades estão fechando antes da presidente [Dilma Roussef] fazer o anúncio global", disse.

De acordo com Miriam, a área de mobilidade urbana é "prioritária para a presidente". "Nos próximos meses devem ser anunciados os outros municípios. São todos municípios com mais de 700 mil habitantes para resolver o problema do trânsito urbano", disse a ministra.

Outra área que é prioridade, segundo Miriam, é o financiamento habitacional. Da meta de R$ 64 bilhões do ministério, R$ 55 bilhões foram emprestados em 2011, informou a ministra.

Na Comissão de Infraestrutura do Senado, a ministra apresentou a parlamentares nesta manhã os resultados e metas da segunda versão do Programa de Aceleração do Crescimento (PAC 2). O PAC inclui investimentos em transportes, energia, mobilidade urbana e habitação.

Ela disse que o governo federal executou, até o final de novembro, R$ 22,8 bilhões no programa neste ano. Desse total, porém, R$ 16,4 bilhões são de restos a pagar, ou seja, investimentos feitos com verbas de orçamentos de anos anteriores.

Miriam respondeu a questionamentos dos senadores sobre a baixa execução do PAC 2. O balanço do programa divulgado em novembro apontou que neste ano, até setembro, foram concluídas 11,3% das obras previstas para este e os próximos dois anos.

"Os desafios do PAC são imensos, mas considero que quem executou 82% das obras previstas e executou 94% dos recursos até 2010 [no PAC 1] tem como apresentar resultados", disse.
saiba mais
Até setembro, 11,3% das obras do PAC 2 foram concluídas, diz governo
Segundo ela, desde o início da primeira versão do PAC, em 2008, o governo tem enfrentado problemas estruturais que dificultam a execução das obras. "Nossos ministérios estavam há muito tempo sem investir em infraestrutura. A maioria das prefeituras não tinha nem área de habitação. As empresas privadas estavam subutilizadas. A carreira de engenheiro, antes do PAC, estava desvalorizada", afirmou.

Mudança de gestão

Na comissão, a ministra negou que a gestão do programa, carro-chefe do governo, será transferida para a Casa Civil, comandada para a ministra Gleisy Hoffman. Reportagem do jornal "O Estado de S. Paulo" divulgada nesta quinta afirma que a presidente Dilma Rousseff quer transferir a gestão do PAC do Ministério do Planejamento para a Casa Civil.
"O porta voz da presidente [Rodrigo Baena] há algum tempo atrás já disse que não tem nenhuma veracidade a informação. A execução do PAC continua no Ministério do Planejamento", afirmou Miriam.

O programa foi criado no âmbito na Casa Civil quando Dilma era ministra do governo do ex-presidente Luís Inácio Lula da Silva, que a chamava de "mãe do PAC". No governo Dilma, o programa foi transferido para o Planejamento.

De acordo com a publicação, o motivo do retorno à Casa Civil seria a baixa execução do programa e a necessidade de acelerar a economia, já que no 3º trimestre de 2011, não houve crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) em relação aos três meses anteriores.

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Subúrbio Ferroviário recebe trem com ar-condicionado

30/11/2011 - Diário da Bahia

O trem tem três vagões e transporta 750 pessoas

Um trem que opera a linha Calçada-Paripe voltou ontem para Salvador depois de passar por  reforma no Rio de Janeiro e, entre outras melhorias, ganhou  ar-condicionado. O trem tem três vagões e transporta 750 pessoas. 

A Secretaria de Transportes Urbanos e Infraestrutura (Setin) informou que a reforma custou cerca de R$ 800 mil, mas não esclareceu quanto tempo durou o trabalho nem disse quando a composição começará a operar. Outros três trens estão sendo reformados. Hoje, cinco composições fazem a viagem de 13,5 km no subúrbio.
 

quinta-feira, 24 de novembro de 2011

Proposta de levar metrô a Cajazeiras

24/11/2011 - Tribuna da Bahia

Em conversa com a reportagem, o deputado Antônio Imbassahy (PSDB), comemorou, sobretudo, a proposta de levar o metrô de Pirajá ao bairro de Cajazeiras

Segundo o tucano, essa foi a proposta “original” do projeto do sistema de transporte sobre trilhos, cuja execução começou em sua gestão como prefeito de Salvador. “Fiquei satisfeito, quero ressaltar isso, principalmente porque incluíram a emenda para estender o metrô até Cajazeiras. Isso faz parte da proposta inicial”, garante o oposicionista. De maneira geral, Imbassahy afirmou que a definição da bancada baiana foi positiva.
 
“A Bahia fica bem contemplada com o que foi escolhido pela maioria. Vamos torcer para que as propostas sejam aprovadas”. ACM Neto (DEM), outro integrante do bloco da minoria na Câmara Federal, também comemorou as emendas, mas ponderou que o êxito na aplicação dos recursos que podem ser aprovados depende do governo do estado.
 
“Não adianta aprovar as emendas se não tivermos empenho para executar os recursos em obras. Para avaliarmos se fomos bem ou mal contemplados, dependemos de o governo garantir a execução das obras”, afirmou o democrata.
 
O presidente do PCdoB na Bahia, deputado federal Daniel Almeida, destacou uma emenda de sua autoria, a qual propõe recursos da ordem de R$ 50 milhões para um programa de irrigação na região da Serra Geral. Os recursos, segundo o comunista, serão veiculados à Companhia de Desenvolvimento dos Vales do São Francisco (Codevasf) e serão aplicados na recuperação do sistema de irrigação de Ceraíma, que atende a população de Guanambi; e o de Estreito, cuja população beneficiada é de Urandi e Sebastião Larangeiras.
 
No total, a bancada tem de apresentar 15 emendas, mais três dos senadores e três de remanejamento. O documento com as propostas escolhidas foi entregue ontem à Comissão Mista de Orçamento da Câmara.

sábado, 19 de novembro de 2011

Em Salvador, Especialistas apontam os principais erros cometidos na construção da linha 1 do metrô

19/11/2011 - Correio 24 Horas

A presidente Dilma Rousseff  anunciou o dinheiro que o governo federal vai liberar para o metrô da Paralela, e tudo o que a população de Salvador deseja é que ele não siga os passos de seu irmão mais velho, da Bonocô. Em construção há 12 anos, se o metrô não serviu para nada em todo esse tempo, agora espera-se que ao menos ele sirva de exemplo.

Para isso, o CORREIO ouviu especialistas em transportes da capital e eles apontaram os principais erros cometidos na construção da linha 1 do metrô. “O primeiro erro foi a falta do projeto. Quando as obras começaram, havia apenas um traçado, que com o tempo foi mudando, e o metrô foi todo elevado”, começou Ilze Marília Pinto, professora do Departamento de Transportes da Universidade Federal da Bahia (Ufba).

Para seu colega Pedro Ornelas, que também é consultor na área, ter elevado os trilhos foi um dos maiores erros cometidos. “Não se constói mais metrô elevado. Isso só faz elevar custos”, criticou. 

Trabalho perdido 
Ele também não esquece que os gestores acabaram se perdendo nos custos da coisa. “Ficou tão cara, que estão preferindo fazer outro a continuar essa obra. Tem estrutura do metrô até a Brasilgás, mas ela vai ser descartada. É tempo e dinheiro perdidos”.

Ilze Marília faz uma queixa que encontra eco na opinião da maioria dos baianos: o metrô leva do nada a lugar nenhum. “Ele fica ali isolado, não tem integração com nada”, observa. Outro erro, segundo ela, é que só agora está se pensando em um modelo de gestão. “Levaram anos só pensando na parte física, mas o mais complicado é a gestão”, completa.
Planejamento e transparência para a população também faltaram, na opinião da especialista.

Estações
Também professor da Escola Politécnica da Ufba, Juan Pedro Delgado critica o isolamento das estações do metrô ‘calça curta’. “As estações têm que ser pontos de integração. Tem que possibilitar que o usuário chegue a pé, de bicicleta, van, ônibus, ou até de carro. Tem que ter acesso fácil, por passarela ou planos inclinados, e estacionamento”, sugere. “Não é com uma escadaria de 40 degraus que você incentiva o cidadão a utilizar um transporte sustentável”, avalia.

Ainda sobre as estações, Juan Pedro é da opinião de que elas deveriam oferecer um conjunto. “Uma biblioteca, uma creche. Comércio a preços razoáveis e, no mínimo, um banheiro público decente, que a linha não tem”.

Para ele, os prováveis R$ 1,36 bilhão que serão anunciados serão suficientes  para fazer os 22 quilômetros de metrô. “Os custos de implantação deveriam oscilar entre 15 e 45 milhões de dólares por quilômetro, mas isso pode variar”, disse, com base em estudos internacionais. “O que pode encarecer é que a Paralela não é uma linha reta, plana. Tem rios, lagoas, canais”, observa.
Inicialmente, o governo do estado havia anunciado que seriam necessários R$ 3 bi para toda a obra. Agora, porém, o governo do estado conta com verba federal de R$ 1,6 bi. O restante do dinheiro, segundo o governador Jaques Wagner, viria do próprio estado.

Testes
Segundo o chefe da Casa Civil Municipal, João Leão, no próximo mês começam os testes de um trem no metrô da Bonocô. “Estamos definindo o cronograma de comissionamento, isto é, colocar os trens para rodar com uma carga de sacos de areia, cumprindo trajeto e horários normais. Isso testa as linhas e a  parte elétrica”, diz. Segundo o secretário, em janeiro, serão dois trens em testes.

“Vou dar esse presente de ano novo para o cidadão de Salvador. Vou botar esse metrô pra rodar, nem que sejam os trens passeando sozinhos”, brincou. A previsão é que o metrô seja aberto para o público em abril.

O que não fazer
Projeto  As obras não podem começar sem um projeto bem definido
Integração  O metrô não pode levar do nada a lugar nenhum
Gestão  O modelo de gerenciamento não deve ser negligenciado
Transparência A população tem o direito de saber o que está acontecendo e não pode ser excluída do processo

Planejamento  O passo a passo da linha 1 não foi definido inicialmente
Metrô de Superfície Fazer um metrô elevado, como o da Bonocô, só aumenta os custos
Custos O estado não pode se perder nos custos

Estações  O acesso às estações de metrô precisa ser facilitado
Serviços  Banheiro público de qualidade e comércio é o mínimo que as estações do metrô
O que falar dessa novela que é o "metrô" de Salvador. No mínimo uma vergonha. Apenas.
 
Postar um comentário

sexta-feira, 18 de novembro de 2011

Verba da União para obras de mobilidade na Paralela cai mais uma vez

17/11/2011 - Correio

Paralela
créditos: arquiteturaemimagens.blogspot.com

Dos R$ 3 bilhões que o governo estadual esperava da União para as obras de mobilidade na Paralela, sobraram apenas R$ 1,36 bi. Foi o que informou ontem o próprio governador Jaques Wagner (PT). O primeiro valor foi anunciado em junho, junto com o primeiro projeto do metrô na Paralela. Isso porque o estado contava com os R$ 2,4 bilhões, teto do PAC da Mobilidade e outros R$ 570 milhões, que estariam garantidos pelo PAC da Copa. Só que o segundo valor estava condicionado à construção de vias de BRT (ônibus de trânsito rápido, na sigla em inglês), e deixou de constar na previsão de gastos em setembro, quando o segundo anúncio foi feito, agora em acordo com a prefeitura de Salvador.

Há duas semanas, porém, durante um evento do PC do B, Wagner já anunciou um valor diferente e, segundo ele, já estava tudo pré-combinado com o governo federal. "Ela (a presidenta Dilma Rousseff) tem um compromisso com a gente  da ordem de R$ 2,1 ou 2,2 bi", garantiu. E o valor continuou descendo. Na terça-feira, em entrevista ao CORREIO, o diretor executivo da Secretaria de Planejamento, Alberto Valença, revelou que a negociação com o governo federal estava em torno de R$ 1,6 bilhão.

Finalmente, ontem, o governador fez o anúncio dos R$ 1,36 bi. Para tentar melhorar a situação, Wagner disse também que outros R$ 2,3 bi sairiam dos cofres do estado e do município. A prefeitura, porém, informou desconhecer o investimento. "Não estou sabendo de nada disso. Da parte da prefeitura não tem nenhuma previsão de recurso. A gente não tem recurso para colocar no metrô. Nem na linha 1 (Rótula do Abacaxi - Pirajá) nem na 2 (Paralela)", afirmou o secretário municipal de Transportes, José Mattos. Amanhã, Dilma fará o anúncio oficial.

CRONOLOGIA DA VERBA:

JUNHO: R$ 3 bi
Era a soma do PAC Mobilidade + PAC Copa

SETEMBRO: R$ 2,4 bi
O PAC Copa saiu da jogada
4 de NOVEMBRO: R$ 2,2 bi 
Dilma havia garantido, segundo Wagner

ONTEM: R$ 1,36 bi
Um valor bem mais magro foi anunciado pelo governador
 

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Dilma anuncia verba para metrô de Salvador

17/11/2011 - Tribuna da Bahia

A visita da presidente Dilma Rousseff (PT) a Salvador na próxima sexta-feira para anunciar o aporte de investimentos na área de mobilidade urbana deve movimentar as expectativas da gestão estadual de ampliar os projetos de melhorias para o setor na capital e municípios da Região Metropolitana (RMS).

Ainda não se sabe o volume de recursos que serão garantidos pela chefe de Estado, mas segundo o secretário de Planejamento do Estado, Zezéu Ribeiro o governo tentará sensibilizar a presidente sobre a necessidade de maior atenção a essas demandas, retirando a cidade do atraso no setor de transporte urbano.

Além do anúncio por parte do governo federal, no momento a perspectiva é de que até primeira quinzena de dezembro seja concluído o termo de referência, que conforme o titular define a estruturação e edital com modelo de contrato.

Em seguida, será feita a licitação para definir a empresa ou consórcio que irá construir e operar o sistema de transporte metropolitano entre os municípios de Lauro de Freitas e Salvador. Segundo dados da Seplan, todas as intervenções estão estimadas em cerca de R$ 3 bilhões, integrando um modelo que abrange metrô, ônibus, trem, ciclovias.

A expectativa é que as obras tenham início ainda no primeiro semestre de 2012. Segundo o secretário, essa foi a garantia dada pelas empresas participantes do Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI). “Todas que participaram do estudo se comprometeram, mas sabemos que essa não é uma obra vertical por envolver várias frentes, havendo construções simultâneas”, frisou.

Zezéu também destaca a tentativa de convencimento da gestão Wagner em mostrar para o governo federal a importância da realização do projeto escolhido. “Nós ficamos co m uma  carga muito grande da herança no transporte coletivo e agora no metrô que não teve sua linha 1 concluída. Essa está sob a responsabilidade da  prefeitura. Isso não depende apenas de tecnologia, mas de gestão e de recursos”, afirmou.

Vale lembrar que para as intervenções já foram comprometidos R$570 milhões, montante, inicialmente aprovado pelo Ministério das Cidades para o uso de BRT, mas que está sendo discutido. No estudo foi também  informado que haveria um custo total de R$ 3 bilhões, sendo R$ 2 bilhões pelo governo federal e os demais pela iniciativa  privada. Conforme o secretário, o projeto é de longo prazo, porque além da linha 1 do metrô tem ainda a linha 2 na Avenida Paralela.

terça-feira, 15 de novembro de 2011

Metrô deve chegar a Salvador antes da Copa

15/11/2011 - Portal 2014,

Prefeitura promete segunda linha até 2014. A primeira está em obras há 12 anos



Trens da primeira linha do metrô de Salvador (crédito: Mila Cordeiro/Agecom BA) Leo Barsan/Mobilize Brasil*

O Portal 2014 publica uma série de reportagens do site Mobilize Brasil sobre a situação da mobilidade urbana sustentável em 13 capitais. Nesta terça-feira, destaque para a capital da Bahia

Com mais de 2,7 milhões de habitantes e 740 mil veículos, Salvador sente forte a deficiência nos sistema de transporte. E, para ampliar a mobilidade urbana, a prefeitura iniciou um processo de mudanças estruturais em diversos pontos da cidade.

De acordo com o prefeito João Henrique, o investimento será de R$ 1,3 bilhão e a intenção é criar novos retornos e fazer conexões entre pontos importantes para promover maior dinâmica ao sistema viário. As obras ocorrerão em locais de tráfego intenso e estão vinculadas aos projetos que envolvem a implantação de novas modalidades de transportes. Elas serão realizadas mediante parceria entre as esferas federal, estadual e municipal.

A administração municipal identificou 24 pontos críticos de congestionamento e elaborou cronograma de intervenções. As medidas visam basicamente a desafogar vias que registram grande fluxo de veículos, como nas avenidas Mário Leal Ferreira e no trecho suburbano da avenida Afrânio Peixoto.

Os projetos de melhorias apresentados para a mobilidade urbana são, no entanto, observados com cautela por especialistas em trânsito e transporte. Para a pesquisadora da Universidade Federal da Bahia, Ilce Freitas, os investimentos não podem ficar restritos apenas para a Copa do Mundo. “Já que existe toda uma exigência por parte da organização do evento, é preciso investir em um sistema integrado de transportes que contemple as necessidades após o evento, afirmou. Segundo ela, o sistema de transporte da cidade está muito baseado no modo individual e isso tem saturado o sistema viário. “É preciso investir em modais de grande e média capacidade para atender às demandas da cidade”, disse.

Para Denise Ribeiro, especialista em transporte da UFBA, o sistema viário da cidade não atende as necessidades da população. “Salvador só tem integração ônibus a ônibus em apenas duas estações que não cobrem toda a cidade. Os outros modais, como ciclovias, não têm estrutura adequada”, criticou. Uma melhor integração entre os sistemas de transporte é vista pela especialista como meio de reduzir o uso do transporte individual.

Metrô: obras há 12 anos
A linha 1 do metrô, há 12 anos em construção, sob responsabilidade da prefeitura, ainda nem entrou em atividade, mas seu prolongamento já foi decidido:  o trecho Lapa-Acesso Norte será  estendido até a Estação Pirajá.

De acordo com a Secretaria de Transportes e Infraestrutura (Setin), as obras civis da metade da linha já foram concluídas, os trens já se movimentam sobre os trilhos. De início, Salvador operará com quatro trens, com capacidade para transportar 1,2 mil passageiros, por viagem. Segundo a Setin, os testes finais estão previstos para dezembro deste ano.

No início de 2012, o metrô será aberto à população, sob regime de tarifa assistida. Ou seja, os passageiros terão um período de gratuidade, para que possam conhecer e se habituar à cultura do sistema metrô em Salvador. Para custear a tarifa assistida, a União assegurou recurso de R$ 28 milhões. A Secretaria afirma que até agora foram investidos R$ 571 milhões para os seis quilômetros iniciais.

Linha 2
Até 31 de dezembro, o governo estadual contratará uma empresa ou consórcio responsável para a construção da linha 2 do metrô (Aeroporto - Acesso Norte).. Além disso, por ser uma obra prioritária, segundo a Seplan, haverá fluxo de recursos, abertura de várias frentes de execução e o efetivo controle institucional, o que possibilita a entrega até a Copa de 2014.

Já o governo estadual prevê para janeiro de 2012 o início da construção de um corredor central estruturante de metrô de superfície, passando pela avenida Paralela que ligará Lauro de Freitas e o Aeroporto até o Acesso Norte (Rótula do Abacaxi), com 22 km de extensão. No total, a capital contará com 34 quilômetros de transporte sobre trilhos.

O sistema, segundo a Seplan, trabalhará com modais complementares e alimentadores sobre pneus, tendo como prioridades as avenidas 29 de Março, ligando a Paralela à BR-324, e a conclusão da avenida Gal Costa. Está prevista a ligação Iguatemi-Pituba e Retiro-Calçada, que integrará o trem suburbano recuperado e ligado ao sistema. No entanto, entre os modais complementares, a Seplan não afirma se haverá BRT (ônibus com corredores exclusivos).

As intervenções são estimadas em cerca de R$ 3 bilhões. Do total, R$ 570 milhões, já disponíveis pelo Ministério das Cidades através do PAC Copa, e até R$ 1,6 bilhão do PAC da Mobilidade Urbana, e o restante aportado pela iniciativa privada. A obra pretendida será uma Parceria Pública Privada (PPP).

“Cidade bicicleta”
Com 18 km de ciclovias, Salvador deve ganhar mais 206 km, ligando a capital baiana e Lauro de Freitas, Região Metropolitana. De acordo com a Companhia Estadual de Desenvolvimento Urbano (Conder), o projeto Cidade Bicicleta tem como uma de suas características a transversalidade, além de uma efetiva contribuição sobre o sistema viário, contemplando meio ambiente, a saúde e a educação.

O plano visa, principalmente, a integrar as ciclovias a serem criadas com outros meios de transporte (ônibus, metrô, ferry-boat, trens) que servem à zona suburbana e do sistema que vier a ser escolhido para a avenida Paralela. O projeto contempla três etapas. A primeira inclui a orla da cidade e integra Salvador a Lauro de Freitas, onde serão implantados 60 km de ciclovias, sem dependência da ligação com outros modais de transporte.

Esta etapa inaugural deixaria Lauro de Freitas e seguiria por toda a borda de Salvador até o bairro da Ribeira, na Cidade Baixa, prevendo-se, paralelamente, a requalificação da estrutura já existente para os ciclistas, além de ciclovias com ciclofaixas e bicicletários. A segunda parte abrange o Centro Histórico de Salvador, onde se estuda a implantação de um plano piloto de bicicletas públicas, a exemplo do que existe em Paris, na França, e em Santiago do Chile. Já a terceira e última etapa do projeto segue da avenida Paralela ao centro da cidade.

Dessa forma, será assegurada a integração das principais estações de transbordo da capital, (Iguatemi, Lapa, Pirajá e Mussurunga), como também os pontos de acesso ao metrô, com o sistema cicloviário. Alternativa para a Copa, o projeto tem investimento previsto no valor de R$ 40 milhões, sendo R$ 22 milhões oriundos do PAC da Mobilidade e R$ 18 milhões do plano plurianual estadual. A previsão é que as obras efetivamente comecem no início de 2012 e sejam concluídas antes de junho de 2014.

* Texto publicado originalmente no Mobilize Brasi

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Salvador vai iniciar testes do metrô

20/10/2011 - Tribuna da Bahia

O primeiro trecho do metrô de Salvador, que vai levar os passageiros da Estação da Lapa ao Acesso Norte (Rótula do Abacaxi), está prestes a entrar na fase de experimento.

Para tanto, conforme explicou o chefe da Casa Civil do município, João Leão, resta apenas a conclusão das obras do pátio de manobras dos trens na Estação Bonocô e a aquisição de algumas ferramentas. Leão chegou de Brasília ontem e trouxe boas novas.

Na próxima semana, a Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) deverá repassar à Companhia de Transporte de Salvador (CTS) o montante de R$ 68 milhões, vindos do Ministério das Cidades.

Segundo o secretário, são necessários ainda recursos da ordem de R$ 37 milhões para que a primeira etapa do metrô esteja transportando passageiros, o que deve acontecer em abril de 2012, prevê Leão. A fase de testes será iniciada em dezembro próximo.

Já para o segundo trecho do transporte, que vai do Acesso Norte à Estação Pirajá, totalizando 12 quilômetros de percurso, a Prefeitura de Salvador precisa de R$ 540 milhões, que também virão da CBTU, através de verbas do Ministério das Cidades. Ainda de acordo com Leão, os recursos já foram solicitados à União e as obras devem iniciar também no próximo mês de dezembro.

A expectativa é a de que a obra seja concluída em um ano e meio, a partir do início. “A coisa está andando e está andando bem”, garante o chefe da Casa Civil de Salvador. Ele vai a Brasília em busca de mais recursos na próxima terça-feira (25).

Sobre o plano de mobilidade urbana da cidade, no qual o metrô será o principal modal de transporte que ligará Salvador a Lauro de Freitas ao longo da Avenida Paralela, o secretário afirmou que a Prefeitura está aguardando o Estado encaminhar à União o projeto final.

Uma novidade é a de que o prefeito João Henrique (PP) está pleiteando um valor adicional de R$ 600 milhões aos já programados R$ 2,4 bilhões para intervenções viárias na região do Iguatemi, um dos principais gargalos da cidade. Conforme João Leão, o prefeito quer construir um complexo de viadutos no entorno da Avenida Antônio Carlos Magalhães.

O secretário está tentando agendar uma reunião para segunda-feira (24) com a chefe da Casa Civil do Estado, Eva Chiavon, para apresentar as ideias do prefeito.

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Salvador quer mais dinheiro para o metrô

17/10/2011 - A Tarde

A Prefeitura de Salvador está tentando conseguir mais dinheiro do governo federal para as obras do metrô e outros itens de mobilidade urbana na capital baiana, garantiu o chefe da Casa Civil, João Leão, do Rio de Janeiro (RJ), onde, informou, consolidava, com a Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU), a liberação de R$ 41 milhões para conclusão das obras do primeiro tramo do metrô (Estação da Lapa até Estação Acesso Norte, na Rótula do Abacaxi) e R$ 35 milhões para os trens do subúrbio, incluindo a ponte sobre o Rio São João.

Segundo ele, os R$ 76 milhões deverão chegar à Companhia de Trens de Salvador (CTS, estatal municipal) já na próxima semana – mas esse recurso já estava dentro da programação.

PAC Mobilidade

A prefeitura tenta agora negociar uma complementação de mais R$ 600 milhões no âmbito do PAC Mobilidade Urbana, e outros R$ 400 milhões a serem levantados, por empréstimo, junto ao Ministério das Cidades via Caixa Econômica Federal (CEF): o assunto será tratado hoje de manhã em Brasília por Leão e pelo secretário municipal de Infraestrutura, José Matos, com o ministro Mário Negromonte.

“Se conseguirmos mais R$ 600 milhões no PAC Mobilidade Urbana, Salvador ficará com uma fatia de R$ 3 bilhões, ou seja, 10% dos R$ 30 bilhões que estão previstos para capitais do País inteiro”, explica Leão. Os R$ 30 bilhões a serem investidos em mobilidade foram reiterados ontem de manhã por Dilma Rousseff em entrevista ao programa Café com a Presidenta.

Salvador tem até agora previsão de receber R$ 2,4 bilhões, a maior parte para ser aplicada no novo trecho do metrô, que vai do aeroporto (Lauro de Freitas) até a Estação Bonocô.De acordo com João Leão, no mês passado foram repassados pelo governo federal R$ 22 milhões para a conclusão do primeiro trecho do metrô (uma obra iniciada em 1999), e foram empenhados outros R$ 245 milhões a serem investidos no início do segundo trecho (Estação Acesso Norte até Pirajá).

Mais dinheiro

Outros R$ 315 milhões para o segundo trecho têm previsão de serem liberados no próximo ano. Para a finalização do primeiro trecho, observa Leão, faltam ainda duas parcelas: uma de R$ 105 milhões, para conclusão da Estação Acesso Norte, e outros serviços, e outra de R$ 42 milhões, para aquisição de ferramentas e material de operação do metrô.
Dentro da programação esperada pela prefeitura, o governo federal ainda tem a liberar R$ 1,6 bilhão para o metrô da Paralela, R$ 150 mi para os trens do subúrbio, R$ 415 mi para o BRT (Bus Rapid Transit) que passará pela Pituba, e outros R$ 130 mi para construção da Av. 29 de Março, um novo acesso ligando Cajazeiras à BR-324, passando pela rota do metrô e Itapuã.

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Estado pegará R$ 1 bi emprestado no BID

19/09/2011 -

O governo do Estado enviou dois projetos de lei à Assembleia Legislativa em que pede autorização para realizar uma operação de crédito junto ao Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) no valor total de US$ 645 milhões, o que representa aproximadamente R$ 1 bilhão. A quantia, segundo afirma o secretário da Fazenda, Carlos Martins, ao A Tarde, será usada na contrapartida da construção da Via Expressa Baía de Todos-os-Santos (que liga a BR-324 ao Porto de Salvador), em estudos de viabilidade do Porto Sul (Ilhéus) e, em Salvador, para mobilidade urbana para a Copa do Mundo de 2014. O gestor, entretanto, não especificou qual proposta de mobilidade, nem qual a fatia do empréstimo será destinada a cada atribuição. Outro projeto que a Assembleia deverá votar nesta semana trata da renegociação de dívida do Estado com a União, na casa dos R$ 400 milhões. Segundo dados do Sistema de Informações Contábeis e Financeiras (Sicof), nos quatro anos da primeira administração de Jaques Wagner (PT) a Bahia adquiriu R$ 2,7 bilhões em empréstimos.

quinta-feira, 18 de agosto de 2011


Edital para ampliação do metrô de Salvador deve sair em 45 dias
Publicado: quinta-feira, 18 de agosto de 2011
Conclusão da obra está prevista para março ou abril de 2014, a dois meses da Copa do Mundo


Por Diego Salgado - São Paulo

O governo da Bahia pretende lançar o edital de licitação para as obras de ampliação do metrô de Salvador dentro de um mês e meio. A contratação, no modelo de Parceria Público-Privada (PPP), deve ocorrer até o final do ano.

A conclusão da obra está prevista para março ou abril de 2014, a dois meses da Copa do Mundo. O novo trecho do metrô terá 22 km e está orçado em R$ 2,5 bilhões. "Ele vai se conectar aos 6 km já existentes", disse hoje (18) Ney Campello, secretário da Secopa da Bahia, durante o Sports Business, em São Paulo.

Segundo Campello, o BRT (Bus Rapis Transit) pode ser uma alternativa para alimentar o metrô, mas ainda não há definição. "A rede estruturante é metroviária e a rede alimentadora será sobre pneus. Falta saber se será BRT ou ônibus convencional", afirmou.

O secretário minimizou o fato de a conclusão estar prevista somente para depois da Copa das Confederações, em 2013. "As propostas cumprem o prazo para o início de 2014", disse.

Abertura
Campello reiterou que Salvador ainda é candidata à abertura do Mundial. Caso isso não ocorra, a capital baiana espera receber o jogo de estreia ou a final da Copa das Confederações.

"Não é um consolo, é uma questão de distribuição justa por critério técnico. Espero que não fique tudo concentrado em São Paulo e Rio", afirmou.

Fonte: Portal da Copa 2014
 
    Envie esta notícia para um amigo        Versão para impressão 
Edital para ampliação do metrô de Salvador deve sair em 45 dias
Publicado: quinta-feira, 18 de agosto de 2011
Conclusão da obra está prevista para março ou abril de 2014, a dois meses da Copa do Mundo


Por Diego Salgado - São Paulo

O governo da Bahia pretende lançar o edital de licitação para as obras de ampliação do metrô de Salvador dentro de um mês e meio. A contratação, no modelo de Parceria Público-Privada (PPP), deve ocorrer até o final do ano.

A conclusão da obra está prevista para março ou abril de 2014, a dois meses da Copa do Mundo. O novo trecho do metrô terá 22 km e está orçado em R$ 2,5 bilhões. "Ele vai se conectar aos 6 km já existentes", disse hoje (18) Ney Campello, secretário da Secopa da Bahia, durante o Sports Business, em São Paulo.

Segundo Campello, o BRT (Bus Rapis Transit) pode ser uma alternativa para alimentar o metrô, mas ainda não há definição. "A rede estruturante é metroviária e a rede alimentadora será sobre pneus. Falta saber se será BRT ou ônibus convencional", afirmou.

O secretário minimizou o fato de a conclusão estar prevista somente para depois da Copa das Confederações, em 2013. "As propostas cumprem o prazo para o início de 2014", disse.

Abertura
Campello reiterou que Salvador ainda é candidata à abertura do Mundial. Caso isso não ocorra, a capital baiana espera receber o jogo de estreia ou a final da Copa das Confederações.

"Não é um consolo, é uma questão de distribuição justa por critério técnico. Espero que não fique tudo concentrado em São Paulo e Rio", afirmou.

Fonte: Portal da Copa 2014
 
    Envie esta notícia pa

Metrô de Salvador terá 28 km de extensão até a Copa do Mundo (crédito: Arquivo)

Edital para ampliação do metrô de Salvador deve sair em 45 dias

Conclusão da obra está prevista para março ou abril de 2014, a dois meses da Copa do Mundo
17/08/2011 - Portal 2014, Diego Salgado - São Paulo

O governo da Bahia pretende lançar o edital de licitação para as obras de ampliação do metrô de Salvador dentro de um mês e meio. A contratação, no modelo de Parceria Público-Privada (PPP), deve ocorrer até o final do ano.

A conclusão da obra está prevista para março ou abril de 2014, a dois meses da Copa do Mundo. O novo trecho do metrô terá 22 km e está orçado em R$ 2,5 bilhões. "Ele vai se conectar aos 6 km já existentes", disse hoje (18) Ney Campello, secretário da Secopa da Bahia, durante o Sports Business, em São Paulo.

Segundo Campello, o BRT (Bus Rapis Transit) pode ser uma alternativa para alimentar o metrô, mas ainda não há definição. "A rede estruturante é metroviária e a rede alimentadora será sobre pneus. Falta saber se será BRT ou ônibus convencional", afirmou. 

O secretário minimizou o fato de a conclusão estar prevista somente para depois da Copa das Confederações, em 2013. "As propostas cumprem o prazo para o início de 2014", disse.

Abertura
Campello reiterou que Salvador ainda é candidata à abertura do Mundial. Caso isso não ocorra, a capital baiana espera receber o jogo de estreia ou a final da Copa das Confederações.

"Não é um consolo, é uma questão de distribuição justa por critério técnico. Espero que não fique tudo concentrado em São Paulo e Rio", afirmou.

Siga o Portal Copa 2014 no twitter: http://www.twitter.com/portalcopa2014

terça-feira, 16 de agosto de 2011

Divulgado homologação do projeto do metrô na Paralela na BA

16/08/2011 -

Linha 2 do metrô, que ligará o Acesso Norte ao município de Lauro de Freitas

Foi divulgado no Diário Oficial do Estado da Bahia na última quinta-feira (11) a adoção da tecnologia metroviária para a Avenida Paralela. A homologação é resultado das análises do Grupo de Deliberação composto pelo procurador geral do Estado, Rui Moraes, e pelos secretários estaduais da Casa Civil, Eva Chiavon, do Desenvolvimento Urbano, Cícero Monteiro, da Fazenda, Carlos Martins, e do Planejamento, Zezéu Ribeiro,
coordenador do grupo.

O ato referenda os estudos técnicos que concluíram pela construção da Linha 2 do metrô, que ligará o Acesso Norte ao município de Lauro de Freitas. Com a construção da Linha 2 serão acrescidos 22 quilômetros, viabilizando seu funcionamento.

O Grupo de Deliberação incorporou ainda sugestões das prefeituras de Salvador e Lauro de Freiras como a implementação de vias complementares e alimentadoras do metrô, além da recuperação e modernização do sistema ferroviário do Subúrbio e a interligação dos bairros de Pirajá com Cajazeiras.

Para o assessor-chefe da Secretaria do Planejamento e coordenador do Grupo de Trabalho Executivo, Antônio Valença, a expectativa é que a partir da implantação desse sistema de mobilidade urbana, toda a Região Metropolitana do Salvador (RMS) sofra um incremento socioeconômico. “Nós vamos dar um grande salto, tanto para suprir as necessidades de infraestrutura para Copa de 2014, como principalmente para a melhoria do
sistema viário e de transporte público em Salvador e Lauro de Freitas”. As informações são da Agência Brasil.

Fonte: iBahia
 

quarta-feira, 10 de agosto de 2011

Salvador terá sistema de transportes em Metrô, BRT e VLT

10/08/2011 - Ibahia.com

Transporte BRT na avenida ACM, metrô ligando a Estação Pirajá ao bairro de Cajazeiras e Veículo Leve sobre Trilhos (VLT) no lugar dos trens do Subúrbio. Segundo o chefe da Casa Civil municipal, João Leão, estes foram alguns  itens acertados entre estado e município para o novo sistema integrado de transporte de massa de Salvador.

Pela negociação, a prefeitura ficará responsável por obras de intervenção nas vias, como passarelas e viadutos, além da modernização dos trens e da implantação dos corredores de BRT - além da ACM,  também está previsto um corredor entre o Subúrbio e o Acesso Norte. Para isto, o executivo municipal contará com os R$ 567 milhões do PAC Copa que, como estava previsto apenas para BRT, será renegociado com o Ministério das Cidades.

Já ao governo do estado caberá o metrô da avenida Paralela e um alongamento do trecho em construção há 12 anos até Cajazeiras.  O governador Jaques Wagner (PT) calcula que, para isto, o estado precisará de, no máximo, 1,6 bilhão, mas a verba ainda será batalhada junto ao governo federal, pelo PAC Mobilidade.

Como o sistema será construído e administrado através de parcerias público-privadas (PPP), as duas esferas ainda esperam contar com verba da iniciativa privada. Segundo Leão, a empresa licitada para administrar o metrô (incluindo o da Bonocô, ainda sob responsabilidade da prefeitura), obrigatoriamente terá que assumir também os trens do Subúrbio.

As obras de mudança para VLT, o secretário calcula começar junto com as do segundo tramo do metrô (Rótula do Abacaxi - Pirajá), previstas para o início do ano que vem. Esses e outros detalhes do acordo só serão divulgados oficialmente amanhã, por representantes do estado e da prefeitura, mas as duas partes se dizem satisfeitas.

O mesmo não se pode dizer da Câmara de Vereadores, que foi comunicada ontem da decisão durante um almoço com Leão e o prefeito João Henrique. “Não fomos consultados, recebemos o projeto pronto. Então, não temos nenhuma responsabilidade sobre ele”, reclamou o presidente da Casa, Pedro Godinho (PMDB)

Mais Notícias da Bahia

Fonte: iBahia.com

terça-feira, 9 de agosto de 2011

09/08/2011 - 12h58
Copa-14 dará mais 34 km de metrô a Salvador

EDUARDO OHATA
DO PAINEL FC

O governador da Bahia, Jaques Wagner (PT), anunciou que Salvador vai ganhar mais 34 km de metrô em função da Copa do Mundo de 2014. A notícia foi dada nesta segunda-feira, durante evento em que recebeu uma homenagem na sede das Obras Sociais Irmã Dulce, na capital baiana.

Segundo ele, que disse já estar tudo acertado com o prefeito de Salvador, João Henrique (PMDB), um metrô de superfície vai ligar o aeroporto da cidade, ao longo da avenida Paralela, em direção ao estádio da Fonte Nova, uma das 12 arenas do Mundial.

Ele terá uma extensão de 34 km e vai se juntar aos 6 km já existentes --porém até hoje ainda não inaugurados, apesar de as obras já se prolongarem há mais de dez anos.

"Com isso, já se consegue viabilidade operacional e tarifária", declarou o secretário baiano para a Copa, Ney Campello.

O governo disse que a intenção é abrir o procedimento licitatório em 45 dias.

Fonte: http://www1.folha.uol.com.br/esporte...salvador.shtml

Governador da BA anuncia metrô em Salvador

08/08/2011 - G1

O governador da Bahia Jaques Wagner anunciou na tarde desta segunda-feira (08) que o metrô será o novo modal de transporte implantado na Avenida Paralela, em Salvador.

O anúncio ao público foi feito durante uma cerimônia das Obras Sociais Irmã Dulce em que o governador recebeu o título de sócio honorário da instituição.

De acordo com a assessoria do governo do estado, a decisão foi tomada após a reunião de Jaques Wagner com a presidente da República Dilma Roussef. Em seguida, representantes do governo e da prefeitura de Salvador se reuniram e chegaram a um consenso de que essa seria a melhor opção para a região.

O metrô na Avenida Paralela vai sair do aeroporto Luís Eduardo Magalhães até a Rótula do Abacaxi, correspondendo à linha 2 do meio de transporte, já que a linha 1 vai sair da Rótula com destino à Estação da Lapa.

“O acordo foi feito sobre trilhos no trecho Aeroporto-Rótula do Abacaxi e será complementado com todo um sistema de alimentação que envolve intervenções urbanas, além da gente começar a projetar já a interligação do bairro de Cajazeiras com o sistema modal de metrô em Pirajá”, explicou o governador, segundo nota da assessoria.

“É importante que o legado de mobilidade urbana que será deixado para Salvador com a Copa do Mundo atenda todo o território da cidade, dentro de uma rede interligada intermodal de transporte coletivo. O nosso entendimento está levando em conta a implantação desta rede, atendendo aos moradores de bairros como Subúrbio Ferroviário, Valéria, Pirajá e Cajazeiras, entre outros, ao mesmo tempo em que vamos eliminar pontos altamente críticos do trânsito já identificados pela Transalvador”, destacou o prefeito João Henrique, de acordo com a nota da assessoria.

A assessoria disse ainda que os detalhes da decisão devem ser divulgados na próxima quinta-feira (11), por intermédio da publicação do Procedimento de Manifestação de Interesse (PMI) da mobilidade urbana.

O edital para a realização das obras deve ser publicado em um prazo de 35 a 40 dias, com o objetivo de que elas sejam iniciadas ainda este ano.

quarta-feira, 3 de agosto de 2011

Protesto irá marcar os 12 anos da obra do metrô de Salvador

03/08/2011 - Correio 24 Horas

Lentidão da obra é criticada pelos internautas no Facebook

As obras do metrô de Salvador completam 12 anos em 2011, sem conclusão e sem nenhuma das etapas ter sido finalmente aberta ao público. Para lembrar a data e em protesto, internautas soteropolitanos pretendem ir às ruas reclamar.

Uma manifestação marcando estes 12 anos está sendo marcado pelo Facebook. "Com um trecho de míseros 6 km, já é o metro mais caro por km do mundo", diz a descrição na página do evento, que já conta com a confirmação de quase 6 mil pessoas pela internet.

A manifestação "Aniversário 12 anos do metrô de Salvador" está marcada para as 16h30 do dia 11 - a próxima quinta-feira - no canteiro central da avenida Bonocô, com concentração já a partir das 14h30.

Obras
Até o final do ano, a primeira etapa do metrô, que vai da Lapa à Rótula do Abacaxi, ainda vai consumir R$ 85 milhões do governo federal. Segundo o secretário municipal da Casa Civil, João Leão, o valor está garantido pelo Ministério das Cidades e será aplicado na construção de uma estação na Bonocô, além de estacionamentos e passarelas ao longo do percurso e um pátio de manobra.

O dinheiro, no entanto, não tem data para ser liberado - o que acontecerá de acordo com as necessidades. “À medida que formos tocando a obra, mandamos a nota para a CBTU, ela vai lá, fiscaliza e, se estiver tudo certo, libera o dinheiro”, explicou Leão. Ele estima que, em janeiro de 2012, esta primeira etapa esteja liberada para testes.

Para a segunda etapa (até Pirajá), engenheiros do Exército apresentaram um orçamento de valor não divulgado na última semana.

quinta-feira, 28 de julho de 2011

Orçamento do metrô de Salvador é enfim apresentado pelo Exército

28/07/2011 - Correio 24 Horas

O relatório, que ainda não teve seu valor revelado, foi apresentado anteontem em Brasília

Depois de adiar duas vezes, engenheiros do Exército finalmente apresentaram o orçamento para toda a extensão do inacabado metrô de Salvador, que vai da Estação da Lapa até Pirajá. O relatório, que ainda não teve seu valor revelado, foi apresentado anteontem em Brasília, ao secretário municipal da Casa Civil, João Leão.

O documento será encaminhado hoje para a Companhia de Transportes de Salvador (CTS), que fará um comparativo com o orçamento - incluindo o que já foi executado - da concessionária Metrosal, para verificar se houve superfaturamento.

O resultado deverá ser apresentado na próxima terça. Se forem constatadas irregularidades, ou a Metrosal não concordar com o valor apresentado, deverá ser aberta uma nova licitação, ou o próprio Exército assume o restante das obras.

Fonte: correio 24 Horas

quarta-feira, 20 de julho de 2011

Moradores param trânsito em protesto por metrô na BA

20/07/2011 - Correio 24 Horas

A manifestação, organizada pelas Associações de Moradores das Cajazeiras, atrapalhou o trânsito do bairro

Os moradores do bairro popular de Cajazeiras, em Salvador (BA), protestaram na manhã desta quarta-feira, no Largo da Feirinha, contra o trânsito caótico da região. Com faixas, eles pediram a execução no bairro do projeto do Metrô da capital baiana, marcado por atrasos e denúncias de superfaturamento nas obras.

A manifestação, organizada pelas Associações de Moradores das Cajazeiras, atrapalhou o trânsito do bairro. O grupo também poderá fazer uma passeata ainda hoje.

Eles reclamam que o trânsito e transporte no bairro é caótico e pedem que a verba enviada pela União para melhorar o transporte em Salvador até a Copa do Mundo de 2014 também seja empregada em obras nos bairros populares. Cajazeiras tem cerca de 1 milhão de moradores, de acordo com o Censo do IBGE de 2010. As informações são da Agência A Tarde.

Em março, a Prefeitura de Salvador estimou que em um ano e meio, o metrô deve funcionar plenamente. Mesmo que as contas não sejam aprovadas pelo TCU, as obras terão continuidade, indicou a administração municipal.

Fonte: Redação Terra
 

quinta-feira, 14 de julho de 2011

Primeira etapa do metrô ainda vai consumir R$ 85 milhões

14/07/2011 - Correio

O dinheiro, no entanto, não tem data para ser liberado - o que acontecerá de acordo com as necessidades

Até o final do ano, a primeira etapa do metrô, que vai da Lapa à Rótula do Abacaxi, ainda vai consumir R$ 85 milhões do governo federal. Segundo o secretário municipal da Casa Civil, João Leão, o valor está garantido pelo Ministério das Cidades e será aplicado na construção de uma estação na Bonocô, além de estacionamentos e passarelas ao longo do percurso e um pátio de manobra.

O dinheiro, no entanto, não tem data para ser liberado - o que acontecerá de acordo com as necessidades. “À medida que formos tocando a obra, mandamos a nota para a CBTU, ela vai lá, fiscaliza e, se estiver tudo certo, libera o dinheiro”, explicou Leão. Ele estima que, em janeiro de 2012, esta primeira etapa esteja liberada para testes. Para a segunda etapa (até Pirajá), um orçamento deve ser apresentado por engenheiros do Exército na semana que vem.

quarta-feira, 13 de julho de 2011

Prefeitura de Salvador tenta nova proposta de VLT

12/07/2011 - Transporte e Ideias

A prefeitura de Salvador tenta negociar com o governo do estado uma nova proposta de mobilidade urbana e, dentre as alterações pretendidas, a principal aspiração é a transformação dos 13 quilômetros do trem do Subúrbio Ferroviário em Veículo Leve sobre Trilhos (VLT). As informações são do jornal “Correio”.

“Vamos investir na climatização, velocidade e segurança porque a infraestrutura já existe”, declarou o secretário municipal dos Transportes, José Mattos. De acordo com o projeto, que tem custo avaliado em R$ 570 milhões - já liberados pelo Ministério das Cidades para o BRT -, a expectativa é que os trens sejam integrados ao trecho do metrô que já está em construção, na Estação da Lapa. Com isso, seriam mantidos os 22 quilômetros de BRT (ônibus de trânsito rápido) da Rótula do Abacaxi ao aeroporto. Então, após a Copa, eles passariam pela transformação a metrô.

Já o chefe da Casa Civil municipal, João Leão, espera receber finalmente o apoio do secretário estadual do Planejamento, Zezéu Ribeiro, que declarou no mês passado não haver condições de implantação do VLT. Ribeiro, por sua vez, não abre mão do projeto que prevê o metrô na Paralela com o BRT nas alimentadoras - aprovado no último mês.

“Quando terminar (o metrô), pega os ônibus e coloca nas vias alimentadoras”, afirmou Leão. “Ao final do processo, teremos o metrô integrado ao BRT, como o governo do estado quer. Quando Zezéu entender isso, vai me apoiar”.

sexta-feira, 8 de julho de 2011

Só restam dois trens dos 12 que haviam na ferrovia do subúrbio de Salvador

08/07/2011 - Correio da Bahia

A prefeitura está às voltas para sustentar o sistema, que custa cerca de R$ 1,2 milhão por mês

Enquanto se fala em metrô, BRT e outras alternativas modernas de transporte de massa, os 158 anos de história dos trens que ligam a Calçada a São Tomé de Paripe parecem ter sido esquecidos. Os quatro veículos que restam dos 12 que o sistema já chegou a ter, estão velhos e sucateados. Só dois deles estão nos trilhos e os outros servem como reserva e fonte de peças para reposição. Segundo a Secretaria Municipal de Transportes (Setin), outros quatro trens estão em reforma.

Depois que herdou o trem do Subúrbio do governo federal, em 2005, como condição para a liberação de mais verba para o inacabado metrô, a prefeitura está às voltas para sustentar o sistema, que custa cerca de R$ 1,2 milhão por mês, mas só rende R$ 400 mil. A saída foi reduzir o horário de operação de 6h às 18h (era até as 22h), o que deixou insatisfeitos funcionários e usuários, já  que a redução afeta diretamente os salários, e o horário das 18h é um dos mais disputados pela população.

Além disso, desde novembro passado, o percurso que era feito em 25 minutos precisa de 1 hora e 20 minutos para ser completado. Isso graças à interdição para reforma da ponte de São João e à velocidade máxima dos velhos trens, que não ultrapassam os 20 km/h, segundo o sindicato dos ferroviários. A Setin diz que são 45 km/h.

O sistema nem de longe lembra o que transportava 40 mil passageiros por dia até a década de 90 (hoje são seis mil). Era neles que o motorista aposentado Ilo Roberto Alves Lemos , 64 anos, ia diariamente, entre 1960 e 1970, visitar a namorada Maria de Lourdes. “Ela morava em Periperi, eu ia contemplando a paisagem, pensando na vida”, relembra seu Ilo.

Já a dona de casa Thilda Muhana Dáu, 81, conta que na década de 50 pegou o transporte com duas amigas, só para  passear. “Foi na época de moça. Eu queria experimentar e achei uma beleza”, recorda. Hoje Ilo e Thilda se entristecem ao perceberem que todo o charme e poesia da época se perderam em meio à ferrugem e às pichações.

O assistente de estação José Alves de Jesus trabalha na estação de Plataforma há 35 anos e também sente falta dos tempos áureos. “De um dia pro outro, acordei funcionário municipal”, disse, se referindo à transferência de gestão, da Companhia Brasileira de Trens Urbanos (CBTU) para a Companhia de Transportes de Salvador (CTS).

“Agora eles terceirizaram a manutenção e tudo demora mais. Há dois anos chegaram trilhos novos, para serem trocados, mas até hoje a terceirizada não fez o serviço”, denuncia. A empresa Iesa, responsável pela manutenção, foi procurada, mas a área responsável não se pronunciou.

Problemas

Entre os maquinistas, as reclamações são muitas. O mato alto ao longo dos trilhos dificulta a visibilidade e, como se não bastasse, moradores de invasões locais quebraram vários trechos do muro de isolamento para fazer passagens clandestinas, que atravessam os trilhos. Algumas passagens são grandes e cimentadas, permitindo a passagem de carros, motocicletas, pessoas e até cavalos.

“É susto toda hora. Uma vez atropelei e matei um homem que atravessou na frente do trem”, conta o maquinista Evanildo Chaves, que tem 22 anos de profissão. O também maquinista Jorge Boaventura explica que o tempo de frenagem é bem maior do que nos carros. “Não é instantânea. Tem que ser programada, frear bem antes. Às vezes não dá tempo”. Segundo o Sindicato dos Ferroviários, este ano foram registrados três acidentes.

Tempo

Entre os passageiros, atualmente a maior queixa é o tempo de percurso, que subiu de 25 minutos para 1 hora e 20 desde novembro do ano passado, quando a ponte de São João, que liga as estações do Lobato e de Plataforma, foi interditada para reforma. Com isso, os passageiros precisam sair do trem na estação do Lobato, para pegar um micro-ônibus em direção a Plataforma, onde entram em outro trem que segue até Paripe.

A vendedora Suely Oliveira, moradora de Periperi conta que antes da interdição usava o trem todos os dias. “Agora não dá mais porque demora muito, só pego quando tenho tempo sobrando. Não vejo a hora de consertarem essa ponte. É uma diferença danada pro nosso bolso”, torce.

A passagem de trem custa R$ 0,50, um quinto do valor da tarifa de ônibus, que é R$ 2,50. Procurada, a Setin informou que a reforma está 70% concluída, e com previsão de ficar pronta em dezembro. A verba de R$ 60 milhões veio do governo federal.

Projetos de modernização nunca saíram do papel

Assistindo a essa degradação diária dos trens, a prefeitura bem que tenta fazer alguma coisa, mas, por falta de verba ou mesmo inexperiência, os resultados nem sempre são de todo bons. Apesar da insistência do secretário da Casa Civil, João Leão, em incluir a modernização dos trens no projeto de mobilidade anunciado pelo governo do estado no mês passado, o pedido não deve ser atendido a curto prazo. Pela previsão da Secretaria estadual do Planejamento (Seplan), esse sonho ficaria para depois da Copa do Mundo, numa segunda etapa de implantação do projeto, que prevê trilhos para a avenida Paralela.

O mesmo João Leão andou falando em aeromóvel e VLT (trens mais modernos) no lugar dos trens tradicionais e tantas outras ideias que até agora não foram para frente. Em 2009, na ânsia de substituir os veículos mais degradados, o prefeito João Henrique comprou os trens amarelinhos, que são veículos antigos reformados, vindos do Sudeste do país, sem sequer calcular se eles passariam pelo túnel de Periperi, no meio do percurso entre a Calçada e Paripe. Resultado: os trens chegaram e ficaram parados, esperando a CTS rebaixar o túnel para que pudessem passar.

terça-feira, 5 de julho de 2011

Governo anuncia transporte sobre trilhos; seriam 22km na Paralela
O secretário estadual de Planejamento, Zezéu Ribeiro, fez ontem o anúncio oficial do transporte de massa a ser implantado em Salvador para a Copa do Mundo
22.06.2011 | Atualizado em 22.06.2011 - 05:19
Visualizações: 998
Tamanho da letra: -A | +A



Priscila Chammas | Redação CORREIO
priscila.chammas@redebahia.com.br


Os 6,5 quilômetros do primeiro trecho do metrô de Salvador não ficaram prontos em 11 anos, mas os 22 quilômetros anunciados ontem pelo governo do estado terão que ser licitados, contratados, construídos e estar operando, no máximo, até 31 de dezembro de 2013. E com o detalhe de que o projeto final ainda não está concluído.

 



 


O secretário estadual de Planejamento, Zezéu Ribeiro, fez ontem o anúncio oficial do transporte de massa a ser implantado em Salvador para a Copa do Mundo: trilhos de Lauro de Freitas até a Rótula do Abacaxi, e BRT (sigla em inglês para ônibus de trânsito rápido) nas vias chamadas alimentadoras (ruas que desembocam na Paralela). 

E o anúncio parou por aí, porque o governo ainda não sabe quantos corredores de BRT seriam implantados, se eles se estenderiam para Lauro de Freitas e a região do Iguatemi, quantas estações teria o novo transporte sobre trilhos, se ele seria construído no solo ou em vias aéreas, e nem se o metrô será metrô mesmo ou monotrilho (um trem que opera encaixado em apenas um trilho).

“Se for metrô vai ser construído no solo, nas laterais do canteiro central. No caso do monotrilho, as vias seriam suspensas”, explicou na entrevista coletiva Alberto Valença, diretor executivo da Secretaria de Planejamento (Seplan) e presidente do Grupo de Trabalho Executivo (GTE), responsável pela decisão.

Ele acrescentou que, no caso de construção no canteiro da Paralela, uma das poucas desapropriações seriam os postos de gasolina que ficam no local. “Sai bem mais barato do que fazer na lateral da pista e ter que indenizar aquele monte de terreno”, disse. 

MIX DE PROJETOS
Dos sete projetos apresentados por construtoras no mês passado, foram usados elementos de pelo menos cinco, embora não tenha sido divulgado quais foram as duas empresas que ficaram de fora. “Elas atenderam todas as premissas, mas não teve nenhuma completa”, explicou Valença.
Os critérios para a decisão foram a consistência de viabilidade técnica, ambiental e financeira, além da durabilidade do sistema e o interesse público.

Como nenhum projeto específico foi selecionado, a verba de R$ 2,5 milhões destinada a pagar o sistema vencedor será dividida proporcionalmente pelas cinco empresas.  Agora, elas saem de cena e o governo terá 45 dias para elaborar um termo de referência, com as características e regras para uma nova concorrência. Depois disso, pelo cronograma da Seplan, será aberta  uma ou mais licitações, para construção e administração dos sistemas de trilhos e BRT, da qual qualquer empresa poderá participar.

Até 31 de dezembro deste ano, a empresa tem que estar não só escolhida, como contratada e preparada para iniciar as obras nos primeiros dias de 2012. Em 31 dezembro de 2013, tudo precisa estar pronto e operando, ou Salvador corre risco de não ver a cara da Copa do Mundo.

O secretário especial para assuntos da Copa, Ney Campello, reconhece que o cronograma é apertado. “É irresponsabilidade dizer que chegaremos a 2014 de maneira confortável. Teremos que fiscalizar bem os prazos, para atingir esse objetivo desafiador”, diz.

PROJETO 
Ainda não existe um projeto final, apenas ideias e estimativas do governo. Uma delas é que o transporte tenha capacidade para atender até 80 mil passageiros por hora, a um custo de R$ 2,50 (passagem isolada) ou R$ 3,25 (bilhete integrado).

Para manter esses valores, o governo do estado teria que subsidiar o sistema em cerca de R$ 700 milhões por ano. Já o valor da obra, pode variar de R$ 2,6 bilhões a R$ 3 bilhões, verba que sairia principalmente do Ministério das Cidades, através dos PACs da Copa (R$ 570 milhões) e da Mobilidade
(R$ 2,4 bilhões).

As vias onde seriam implantados os corredores exclusivos de ônibus também é algo sem definição. “A ideia é fazer isso em vias mais largas, como a Dorival Caymmi e a Pinto de Aguiar”, disse Zezéu. Além destas, Alberto Valença citou também as avenidas Gal Costa, 29 de Março e Orlando Gomes.  As ruas mais estreitas continuam com o sistema de ônibus já existente.

Segundo Ney Campello, o governo estuda ainda implantar 215 quilômetros de ciclovias em Lauro de Freitas, na Paralela, no Centro Histórico e outras vias ainda não definidas. “Seremos a 2ª cidade da América Latina em quilômetros de ciclovia, perdendo só para Bogotá (Colômbia)”, assegurou.

Gestão disputada
Com o anúncio dos 22 quilômetros novos de metrô (ou monotrilho), o governo do estado pretende assumir também o trecho iniciado (há 11 anos) pelo município. “Estamos conversando com a prefeitura sobre esse projeto”, afirmou o secretário Zezéu. O trecho em questão está sendo construído pelo consórcio Metrosal, que inclui a construtora Camargo Corrêa, responsável também por um dos sete projetos.

A ideia do governo estadual é que a empresa vencedora da licitação para a construção e gestão do novo trecho do metrô herde também a administração do primeiro tercho, ainda em construção, que vai da Estação da Lapa à Rótula do Abacaxi (em fase final), com extensão prevista até Pirajá. Este segundo trecho é alvo de uma auditoria de uma equipe de engenharia do Exército, que deve dizer, até 1º de julho, qual o valor estimado para esta obra.

“Vamos pegar este valor e apresentar para a Metrosal. Se ela aceitar, fica com a obra, senão, abriremos nova licitação”, explica o secretário José Mattos, da Secretaria Municipal dos Transportes e Infraestrutura (Setin). A auditoria teve início depois que o consórcio foi alvo de denúncias de superfaturamento nas obras do primeiro trecho. Procurada, a Camargo Corrêa informou que não comentaria o assunto. Já o gerente-geral da Metrosal não foi localizado pelo consórcio até o fechamento desta matéria.

Especialistas desconfiam de prazo (Por Bruno Menezes)
Especialistas em trans porte, tráfego e urbanismo têm opiniões divergentes sobre o novo metrô. Para o coordenador do curso de Urbanismo da Universidade do Estado da Bahia  (Uneb), professor Ney Castro, há questões que não foram estudadas pelo governo estadual, como o plano econômico e financeiro da obra, a demanda potencial de passageiros e a projeção de crescimento da cidade, que segundo ele está defasada há mais de oito anos.

Ele diz ainda que o tempo também será vilão. “Se for calcado no esconderijo das contas e do orçamento, vai sair. Agora, pelos rigores da lei, se fizerem tudo dentro dos parâmetros legais, não teremos nada disso”, afirma.

“Além disso, o governo renunciou ao papel que deveria ter sido dele, já que perdeu a grande oportunidade de exercer o seu papel de gestor metropolitano quando terceirizou o direito e o papel de fazer a escolha do perfil tecnológico do transporte a ser escolhido”, comentou, referindo-se ao processo de chamada de projetos.  O professor Élio Santana Fontes, do Departamento de Transportes da Universidade Federal da Bahia (Ufba), acredita no projeto, mas é cauteloso. “Se fosse subterrâneo, seria impossível, mas o modal ferroviário na Paralela tem capacidade mais elevada, já que o canteiro central é plano. Com investimento, o projeto é viável”, avalia.

Já a doutora em transportes da Politécnica da Ufba, Ilce Marília Dantas Pinto,  comemorou o projeto. “O trecho já era previsto. Seria a linha 2. É possível fazer, mesmo com tempo curto. Afinal, no Rio dá tempo, em Recife também. Por que aqui não?” .

quinta-feira, 30 de junho de 2011

Salvador: Metrô de 6 km tem novo prazo para inauguração: início de 2012
quarta-feira, 29 de junho de 2011

A interminável obra do Metrô que liga a Estação da Lapa ao Acesso Norte, de apenas 6 km, tem mais um novo prazo para começar a funcionar. Desta vez quem assumiu o compromisso com a data não foi o prefeito João Henrique (PP), que já isentou-se de fazê-lo, mas o secretário de Transportes e Infraestrutura (Setin), José Mattos.

Em entrevista ao jornal Correio, o titular informou que faltam R$ 28 milhões para inaugurar a obra – segundo ele, a verba já estaria acertada para sair dos cofres do Ministério das Cidades. O custo da obra já ultrapassou a casa de R$ 1 bilhão, mas o trecho 1 original, que ligava a Lapa à Estação Pirajá, foi desmembrado em dois tramos para que fosse possível a conclusão no curto prazo – o que não veio acontecer. “Até dezembro, todos os testes e o treinamento da operacionalização do sistema também serão concluídos.

A previsão é que, no começo do ano que vem, o meio de transporte seja entregue à população”, acredita Mattos. Devido à pouca quantidade de passageiros que utilizariam o sistema tão curto, há quem duvide da viabilidade financeira de sua operacionalização, como Paulo Roberto Silva, secretário-geral do Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil e Pesada (Sintepav).

domingo, 1 de maio de 2011

Originally Posted by Loiro
Metrô de Salvador deve entrar em operação em junho/julho.


As primeiras vistorias das obras da Arena da Fonte Nova e do metrô de Salvador aconteceram na manhã desta terça-feira (5), com o objetivo de comparar seu estágio atual com o cronograma oficial da Copa 2014.
O chefe de gabinete do Crea-Ba, Giesi Nascimento, que participou da ação, comenta que as informações repassadas sobre o metrô ainda não são conclusivas. “Visitamos todas as estações, que estão sendo finalizadas. A notícia que temos é que os 6 km serão inaugurados no meio do ano, entre junho e julho”.

Na Arena da Fonte Nova foi visitado o canteiro de obras que, de acordo com o representante do Crea, está em fase de fundação. “Disseram que 80% das obras serão em pré-moldados, o que tende a torná-la rápida e racional. Se isto acontecer, terá condição de estar pronta em 2012”, afirma.

A vistoria foi realizada por 38 técnicos, que se dividiram em duas equipes - 16 na Fonte Nova e 22 no metrô. Os profissionais são de órgãos como Sucom, Ibama, Escola Politécnica da UFBA, Instituto dos Arquitetos do Brasil, Siduscon, Ipac, Crea-Ba, entre outros.

O relatório sobre o atual estágio será divulgado no dia 12, próxima terça-feira, no seminário "Acompanhamento das Ações para a Realização da Copa 2014". A ação faz parte da Fiscalização Preventiva Integrada (FPI), que irá focar itens como licenciamento ambiental, impacto de vizinhança, mobilidade urbana e acessibilidade. Segundo a assessoria do Crea-Ba, a segunda etapa prevê vistorias para o aeroporto internacional e o porto de Salvador.

http://g1.globo.com/bahia/noticia/20...-salvador.html

domingo, 17 de abril de 2011

Após 11 anos do início das obras, metrô de Salvador não funciona

16/04/11 - O Globo

Cercado de denúncias de superfaturamento e desvio de dinheiro, o metrô de Salvador ainda não funciona, 11 anos depois do início das obras.

Falta de planejamento financeiro, erros até nos estudos do subsolo. Foi o que concluiu a investigação do Conselho Regional de Engenharia e Arquitetura (Crea).

Segundo o Crea, só depois da obra iniciada descobriram que o traçado do metrô é sobre um canal da rede de esgotos que se estende por toda uma avenida. Por isso, mais de quatro quilômetros da linha foram construídos a 12 metros do chão. O custo ficou, pelo menos, 20% mais caro.

Seis trens foram comprados em 2008, na época da campanha política das eleições para prefeito. Como não havia nem pátio de manobra, durante quase dois anos, os 24 vagões foram guardados num galpão particular. O custo mensal do aluguel? R$ 80 mil.

O repasse de verbas foi bloqueado por ordem do TCU, o Tribunal de Contas da União. Há denúncias de superfaturamento e desvio de dinheiro.

“Nós acertamos com o TCU que nós vamos botar um marco zero nessa obra. O que foi gasto daqui pra lá é problema deles, de quem gastou. Agora nós vamos pra frente”, informa o secretário municipal, João Leão.

A previsão inicial de conclusão da obra era de 40 meses e um custo total de R$ 325 milhões. Lá se vão 11 anos, cerca de R$ 700 milhões já foram gastos e os moradores de Salvador ainda não receberam nem a metade do menor metrô do Brasil.

Para colocar em funcionamento os seis quilômetros do metrô, a prefeitura quer mais R$ 86 milhões. Calcula-se que no trecho, 80 mil pessoas sejam transportadas por dia – 3% da população da terceira maior cidade do país.

“Precisamos botar isso pra rodar. Nós não podemos deixar esse grande investimento do povo de Salvador paralisado do jeito que está", fala Leão.

domingo, 10 de abril de 2011

Metrô de Salvador deve entrar em operação em junho/julho.

06/04/2011 - G1

As primeiras vistorias das obras da Arena da Fonte Nova e do metrô de Salvador aconteceram na manhã desta terça-feira (5), com o objetivo de comparar seu estágio atual com o cronograma oficial da Copa 2014.

O chefe de gabinete do Crea-Ba, Giesi Nascimento, que participou da ação, comenta que as informações repassadas sobre o metrô ainda não são conclusivas. “Visitamos todas as estações, que estão sendo finalizadas. A notícia que temos é que os 6 km serão inaugurados no meio do ano, entre junho e julho”.

Na Arena da Fonte Nova foi visitado o canteiro de obras que, de acordo com o representante do Crea, está em fase de fundação. “Disseram que 80% das obras serão em pré-moldados, o que tende a torná-la rápida e racional. Se isto acontecer, terá condição de estar pronta em 2012”, afirma.

A vistoria foi realizada por 38 técnicos, que se dividiram em duas equipes - 16 na Fonte Nova e 22 no metrô. Os profissionais são de órgãos como Sucom, Ibama, Escola Politécnica da UFBA, Instituto dos Arquitetos do Brasil, Siduscon, Ipac, Crea-Ba, entre outros.

O relatório sobre o atual estágio será divulgado no dia 12, próxima terça-feira, no seminário "Acompanhamento das Ações para a Realização da Copa 2014". A ação faz parte da Fiscalização Preventiva Integrada (FPI), que irá focar itens como licenciamento ambiental, impacto de vizinhança, mobilidade urbana e acessibilidade. Segundo a assessoria do Crea-Ba, a segunda etapa prevê vistorias para o aeroporto internacional e o porto de Salvador.

http://g1.globo.com/bahia/noticia/20...-salvador.html

sábado, 26 de março de 2011

'Exército vai fiscalizar conclusão do metrô de Salvador', diz prefeitura


Casa Civil da capital baiana vai propor contrato com corporação em 30 dias.
Apenas seis dos 12 quilômetros previstos foram feitos desde 2000.


A obra de conclusão do metrô de Salvador deve ser fiscalizada pelo Departamento de Engenharia e Construção do Exército, segundo informações da Casa Civil da Prefeitura Municipal de Salvador. O acordo foi anunciado durante uma reunião de João Leão, secretário da pasta, com o general de divisão Rosalvo Leitão de Almeida, na tarde desta quinta-feira (24). A corporação militar deve concluir, em 4 de abril, o relatório de auditoria da obra já realizada.

O projeto, iniciado em 2000, está embargado pelo Tribunal de Contas da União (TCU) por problemas na prestação de contas, o que suspendeu o repasse de verbas, que já atingiu cerca de R$ 600 milhões. A malha prevista inicialmente para o transporte era de 12 quilômetros de extensão, mas apenas seis quilômetros foram concluídos até o momento.
saiba mais

De acordo com Leão, o objetivo da participação do Exército é facilitar o encerramento do embargo da obra, na tentativa de garantir que o meio de transporte fique pronto no segundo semestre de 2012. "O TCU, através do ministro relator Maurício Sherman, determinou que o Exército fizesse uma auditoria e um levantamento detalhado sobre o que foi feito durante a obra do metrô até agora. Esse trabalhou está sendo executado pelo Exército há cinco meses", disse o secretário municipal.

Contrato em 30 dias

O próximo passo, ainda segundo Leão, é apresentar um contrato para que o Departamento de Engenharia e Construção efetue o acompanhamento da continuidade da obra. "Tenho 30 dias para fazer isso. Além desse contrato com o Exército, teremos de apresentar um aditivo de contrato para a concessionária Metrosal, responsável pela construção do metrô. Os valores serão computados de acordo com o levantamento feito pela auditoria do Exército. Caso a concessionária não aceite, o Exército assume o restante da obra", afirmou o secretário da Casa Civil de Salvador.

Segundo a Secretaria de Planejamento (Seplan) da Bahia, a obra do metrô é de responsabilidade das três esferas de poder (município, governo e união). As paralisações ocorridas no curso da obra foram em decorrência da falha de prestação de contas. A proposta é que o Exército assuma a conclusão da obra e o TCU reavalie o embargo da liberação de verbas.

"A finalização da primeira etapa da obra prevê um gasto de R$ 86 milhões. Os carros estão prontos e nos trilhos, resta fazer a capacitação de pessoal para operacionalizar o metrô, que deve ser feito em conjunto com a Transurb e a CBTU, no Rio Grande do Sul, além da energização da linha, construção das seis estações já previstas e uma sétima parada, em Brotas", disse João Leão.

De acordo com ele, a participação do Exército estaria direcionada à fiscalização da obra do trecho que já está construído, de seis quilômetros. "Para a conclusão total da obra, serão necessários mais R$ 460 milhões", disse o secretário municipal. Segundo ele, a ideia é a de que o metrô seja integrado com outros sistemas de transporte público, como o VLT (Veículo Leve sobre Trilhos) - modelo ainda em discussão -, ou com o BRT (Bus Rapid Transit), também chamado de VLP (Veículo Leve sobre Pneus).

O TCU não se pronunciou sobre a participação do Exército na fiscalização da obra do metrô de Salvador e sobre o embargo da construção. O consórcio Metrosal informou, por meio de nota, que apenas a contratante (Companhia de Transporte de Salvador) pode falar sobre o assunto. O Exército informou que só poderá comentar a participação na obra quando estiver com o contrato de cooperação assinado.

Tentativa de funcionamento

Em agosto do ano passado, seis trens do metrô começaram a ser levados para a Estação do Acesso Norte, na Rótula do Abacaxi. Os veículos estavam armazenados em Simões Filho (BA). Cada trem, composto por quatro vagões, tem capacidade para transportar 1.250 passageiros. A estimativa da Companhia de Transporte de Salvador (CTS) era a de iniciar o funcionamento no primeiro semestre de 2011.

O governador Jaques Wagner disse, em seu programa diário de rádio, que é prioridade relacionar os projetos de mobilidade urbana de Salvador aos investimentos para a Copa do Mundo de Futebol 2014. “A participação da Bahia só existirá se condicionada à integração do sistema ônibus, a nova mobilidade urbana e o metrô - que precisa ser completado, porque nós não podemos ter um metrô incompleto, como até hoje ele está”.

Problemas recentes na obra

Um dos operários da obra do metrô de Salvador morreu depois de uma explosão ocorrida no local, em fevereiro deste ano. O homem, de 36 anos, foi internado no Hospital Geral do Estado (HGE), na capital, e apresentava queimaduras em mais de 50% do corpo. Outros dois operários ficaram feridos.

O Consórcio Metrosal, responsável pelas obras, informou que as circunstâncias da explosão ainda estão sendo investigadas.

Trens do metrô de Salvador foram instalados em agosto do ano passado,
mas nunca circularam com passageiros (Foto: Mila Cordeiro/Agecom)

G1